domingo, 13 de dezembro de 2020

CUIDADO, ESQUERDA “NEM-NEM” À ESPREITA !!!

                              


Sérgio Alves de Oliveira

Advogado e Sociólogo

Definitivamente,a esquerda não está morta.                                                                                                                   
Sua derrota nas eleições municipais de 2020,apesar de não ter conquistado  nenhuma prefeitura de capital,tratou-se meramente de um revés em “batalha” eleitoral, não de  uma derrota na “guerra” política como um todo.                                                                                                         

Além disso, ela conta com a “instabilidade” de um  eleitorado e as terríveis  limitações de consciência política de muitos, responsáveis pelas frequentes alternâncias  no poder ,onde frequentemente  o  voto vencedor opta não pelo melhor, porém pelo “pior”.

Contudo, se por um lado pode ser verdade que muitas vezes as “aparências enganam”,menos verdade não é ,por outro lado, que os resultados egressos das urnas, ou dos computadores “suspeitos” da Justiça Eleitoral, não escapam dessa realidade.

Nesse sentido, tanto as vitórias, quanto as derrotas, nas eleições majoritárias, ou proporcionais, respectivamente para os cargos “executivos” e “legislativos”,são estabelecidas a partir de uma fronteira “aritmética”. Vence quem  tem mais votos,não importa se “milhões” de votos,meia dúzia, ou um só voto, a diferença.

Mas se pelo aspecto “aritmético” atribuído  aos resultados eleitorais não faz qualquer diferença o número de votos que separam a vitória da derrota, o mesmo não pode ser afirmado pelo aspecto “moral”, ou mesmo “político”,especialmente quanto às perspectivas eleitorais das futuras eleições.

Por isso uma eventual diferença “mínima” no resultado das eleições, por exemplo (mesmo que exagerando,mas só  para que se compreenda o raciocínio),de “um voto”,pode ser considerada uma vitória meramente “aritmética”,“circunstancial”,por “detalhe”,”acidental”,não uma vitória “retumbante”,de “mão-cheia”,para que não se tenha “qualquer  dúvida”. Nesse sentido uma vitória pelo placar de “dez a um” (10X1) será sempre mais consistente que uma vitória por “dez a nove” (10X9), por exemplo.

Mas há que se considerar que em todas as variantes do esquerdismo ideológico e político,como o comunismo,o socialismo,o progressismo,e tantos outros “ismos”,o  “carro-chefe” da sua impugnação ideológica invariavelmente “atropela” a “mais-valia, a partir da visão de Karl Marx,que consistiria no “plus” dos esforços do trabalhador no resultado da produção, não remunerado pelo titular do meio de produção, portanto “indevidamente” expropriado  pelo “capitalista”.

Portanto, o “sonho” da ideologia deturpada da esquerda seria não só abolir, definitivamente, a “mais-valia”, como queria Marx, como também substituí-la pela sua contrária,a “menos-valia”,que resumidamente pode ser definida como  a  venda da força de trabalho para o “capitalista” por valor superior ao resultado desse trabalho, ao que produz e ao que vale”.

Interessante  é observar que a camada da população brasileira definida como a geração “nem-nem”,que não trabalha, não estuda,nem gosta de trabalhar,nem estudar,distribuída com certo equilíbrio em todas as classes sociais,estimada em cerca de 10 milhões de pessoas, que têm entre 15 e 29 anos de idade,na sua imensa maioria têm  viés ideológico  de esquerda. Foi exatamente essa gente, por exemplo ,quem mais levantou a bandeira esquerdista   e fez campanha para os candidatos a prefeito de São Paulo e Porto Alegre, respectivamente Guilherme Boulos , e Manuela D’Ávila, esquerdistas fanáticos para “ninguém botar defeito”,o primeiro candidato pelo PSOL,e a segunda pelo PCdoB.

E muitos garantem que a  aversão que esses dois candidatos a prefeito,em São Paulo e Porto Alegre,teriam ao “trabalho” próprio, corresponderia exatamente aos valores da  geração “nem-nem”, que não trabalha,não estuda,nem quer trabalhar ou estudar.

E nem é preciso ir muito longe para que se confirme essa “tese”. Basta olhar para todos os lados. Quem teve algum sucesso  material na vida,seja como empresário,empreendendor,ou mesmo trabalhador, e que tem  plena consciência que vale o que efetivamente produz,com certeza jamais será adepto do esquerdismo.

Mas,ao contrário,os que têm plena consciência que não valem o que produzem,ou exigem ganhar mais do que valem ou produzem, uma espécie de “nem-nem” acampada no ciclo produtivo, evidentemente irão sentar no colo do esquerdismo ideológico com o único objetivo de  serem sustentados pelos outros e  ganharem mais do que valem ou  produzem.

Mas nesse meio, infelizmente, tem  impostores de todo o tipo tirando proveito ,dentre eles alguns dos mais ricos do mundo. A única explicação para que um George Soros “da vida” defenda os interesses da esquerda, através da “sua” Nova Ordem Mundial, é que esse “velhaco” estaria usando o socialismo como uma ferramenta política para enganar os “trouxas”e ao mesmo tempo   dominar o mundo, afastando e destruindo  qualquer  “concorrência”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário