domingo, 13 de dezembro de 2020

Macron criou a "mentira perfeita"

 


Desde sempre esteve claro que o motivo real desses ataques de nervos era o agronegócio brasileiro – que desagrada cada vez mais o governo da França. J. R. Guzzo, via Gazeta do Povo:


O presidente da França, Emmanuel Macron, e seu governo, declararam tempos atrás uma curiosa temporada de hostilidades contra o Brasil. O motivo, como talvez ainda se lembre, é que os brasileiros (com o incentivo implícito do governo) estavam tocando fogo na Amazônia e, em consequência disso, a humanidade estaria ameaçada de ficar sem oxigênio para respirar. “A Amazônia está queimando”, disse o presidente.

Macron pediu na hora uma “intervenção internacional” na região – ou na Amazônia brasileira, pelo que foi possível entender. Cobrou da União Europeia ações contra o Brasil. Desde então, tem pressionado os demais países da Europa a não aplicar o último grande tratado comercial que assinaram com países sul-americanos, e pelo qual se estabelecem cortes em impostos que incidem sobre as exportações brasileiras.

Assim como há a “tempestade perfeita”, tratava-se de uma mentira perfeita. O presidente, ao apresentar a sua acusação, fez divulgar a foto de uma queimada que estaria ocorrendo naquele exato momento na Amazônia – só que a foto, como se descobriu instantes depois, foi tirada 20 anos atrás. Mas e daí? Para que reparar uma mentira, se a maioria das pessoas quer acreditar nela? Além disso, a denúncia dava a entender que a culpa seria do presidente Jair Bolsonaro – e falar mal dele, sobre qualquer coisa, dá cartaz automático hoje em dia. É contra Bolsonaro? Então deve ser verdade.

Desde sempre esteve claro que o motivo real desses ataques de nervos era o agronegócio brasileiro – que desagrada cada vez mais o governo da França, por estar custando cada vez mais caro ao Tesouro francês na forma de subsídios pagos aos produtores de grãos franceses. É uma luta pouco promissora.

A área total dedicada à soja e produtos conexos na França é de 1 milhão de hectares; no Brasil, só de soja, são 15 milhões de hectares plantados, do Mato Grosso ao Rio Grande do Sul. Não é surpresa, assim, que 50% das atuais importações de “proteína vegetal” na França já venham do Brasil e dos Estados Unidos.

Agora, o público é informado que o governo da França acaba de destinar 100 milhões de euros em subsídios para os produtores franceses de grãos – em mais um esforço de manter em atividade uma área de sua agricultura que tem dificuldades crescentes de competir com a produção externa. Não vai adiantar grande coisa, mas a vida é mesmo dura, hoje em dia, no agro mundial: você soca e soca dinheiro em subsídio, e a competição fica cada vez mais difícil. Não resolve nada, aí, ficar dizendo que a Amazônia está em chamas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário