segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

QUEM MUITO ABAIXA O “CU”APARECE !!!

              



Sérgio Alves de Oliveira

Advogado e Sociólogo

Invocando em causa própria o princípio constitucional da “igualdade de todos perante a lei”,consagrado no artigo 5º,”caput”,da Constituição,sinto-me no direito de  baixar um pouco o nível  do palavreado dos meus  escritos ,inserindo no título desse artigo  uma expressão  pouco  comum entre os ”nobres”,os  literatos ,os acadêmicos ,e quaisquer outros “doutos” da linguagem escrita,que  possivelmente a considerariam tosca,chula,grosseira.

Diria eu que o Presidente Bolsonaro pode ser considerado “malcriado”. Mas  tem “sangue-de-barata” para aguentar tantas agressões vindas dos  políticos  da esquerda ,do centrão  e da grande mídia ,bem como a total  falta de respeito  com a autoridade máxima do país. A reações “toscas”do Presidente não estão à altura dos desaforos que lhes desferem todas as horas de todos os dias. Bolsonaro se defende  por “impulso”,por emoção,não com argumentos racionais,motivados,geralmente usando um linguajar não compatível com um chefe de estado e de governo.

O verdadeiro massacre que a grande mídia e seus comparsas desferem sem cessar “fogo” contra  o Presidente Bolsonaro encontrou na pandemia do novo coronavirus a grande oportunidade de fazer da praga chinesa o carro-chefe para cogitar do impeachment do presidente,principalmente em virtude da tragédia da falta de oxigênio para respiradores na capital do Estado do Amazonas,Manaus,o que infelizmente  acabou levando ao óbito diversos pacientes de hospitais.

Mas o que esses “FDPs”  da grande mídia e da esquerda omitem  do público nas informações distorcidas que  divulgam é ´que o próprio Supremo Tribunal Federal foi quem  afastou  da presidência da república a competência e o poder de intervir na medida do necessário   no combate a essa  maldita pandemia,atribuindo-a exclusivamente aos Estados e Municípios,onde,por sinal,instalalou-se uma roubalheira  de tal monta que somente  foi suplantada nos governos de esquerda que quase “quebraram” o Brasil  roubando 10 trilhões de reais.

Integrando essa “quadrilha” que pretende a “cabeça” de Bolsonaro ,através de impeachment,o próprio Presidente da OAB,Felipe Santa Cruz,creio eu que  exorbitado dos seus poderes- eis  que também sou advogado com regular inscrição na OAB ,e não concordo com essa medida – foi um dos que promoveu os diversos processos de impedimento contra o Presidente,usando como motivo a crise do Covid-19 no Amazonas.

Parece que o Presidente Bolsonaro ainda não se convenceu como deveria de que nenhum ato do seu governo,por melhor que signifique para o povo, irá receber aprovação  dos representantes maiores dos Poderes Legislativo e Judiciário,e do próprio Poder Executivo Federal,no “andar de baixo”, que têm a “estabilidade” deixada pelo APARELHAMENTO  que a esquerda fez  no Estado,nas leis,inclusive na constituição de 1988,e nas diversas instituições públicas,e assemelhadas,como a OAB e a própria cúpula da Igreja.

Jamais um presidente da república foi tão contestado como Jair Bolsonaro. E é de pasmar porque  já passaram tantos ladrões e impostores  pela presidência da república que já se perdeu a conta,no mínimo desde 1985.

Mas o aparelhamento que a esquerda deixou de “herança” sempre é mais forte que todos os poderes da presidência da república “SOMADOS”. Qualquer iniciativa que não  traga benefícios diretos à oposição é barrada no Congresso Nacional ,ou na Justiça,especialmente no Supremo Tribunal Federal,hoje o maior de todos os “aparelhos”deixados pela esquerda.

Mas o Presidente não está sabendo se defender à altura,”rebaixando-se”  frente aos ataques que recebe diariamente,até de qualquer “pé-de-chinelo”. E é exatamente essa a situação que deu origem ao título desse artigo,pelo que peço desculpas aos leitores pela “grosseria” de uma das expressões nele contidas. Mas o objetivo foi  o de “comunicar”,mesmo que chocando.

Bolsonaro  deve  se convencer que a única bala que ele tem na agulha  para se defender está no artigo 142 da Constituição,que ele,como Chefe Supremo das Forças Armadas,nos termos constitucionais,e com o necessário apoio das lideranças militares,poderá “detonar” para imobilizar totalmente o “inimigo”da governabilidade do país, o inescondível ataque  sem limites a um dos Poderes Constitucionais,ao Poder Executivo.  Essa medida seria necessária para restabelecer um “estado-democrático-de-direito”, totalmente corrompido,havendo por isso necessidade excepcional  de fazer-se  prevalecer  o  direito-da-força contra  um estado-de-direito absolutamente   deturpado, mesmo que contrariando  num dado momento a máxima deixada por Ruy Barbosa:“a força do direito deve superar direito da força”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário