sexta-feira, 5 de março de 2021

O enfraquecimento da Esquerda na América do Sul

 


A alternância de poder é ocorrência corriqueira em países e em regiões, desde que haja liberdade de escolha; e acontece em boa parte das vezes em que a população é chamada a decidir.

A economia tem sido o principal motor para as mudanças nos humores dos donos dos votos por ocasião das eleições nas mais diversas regiões do mundo, e o Brasil entre essas.

Economia e liberdades individuais são dois combustíveis de alta octanagem para acender e fazer girar a roda da política.

Da mesma forma como ocorre com os Ciclos Econômicos (não confundir com Flutuações Econômicas), na política também existem ciclos, com amplitude maior ou menor, alternâncias de poder mais profundas ou mais para superficiais.

Nessas alternâncias e em nossa região, mais do que ajustes suaves, o que ocorre na maior parte das vezes são guinadas, para um ou outro lado, as vezes passando e as vezes estacionando pelo centro.

 

A AMÉRICA LATINA COMO REGIÃO CULTURAL

 

Pouco após o meado dos anos 1800 começou a ser criada a narrativa da existência de uma América Latina, agrupamento criado pelos franceses na intenção de reduzir o domínio inglês na região e forçando uma identidade entre povos que teriam uma origem latina em função de suas línguas românicas (português e espanhol), mas que tiveram como antecedentes culturas tão díspares como Incas e Astecas juntando com Guaranis, Tupis e Yanomamis.

A criação da América Latina é ilógica;

A alegação identitária seria pela origem das línguas, e assim excluiu-se Estados Unidos, Canadá e alguns países do Caribe, América Central, e Guiana e Suriname na América do Sul.

O Canadá tem aproximadamente um quarto de sua população falando francês e ainda assim não integra esse conjunto, e certamente os canadenses não fazem questão disso.

Na prática a nossa América Latina ficou como a “prima pobre da região”, com a qual os demais preferem manter um contato mais distante.

 

A AMÉRICA DO SUL

 

O conceito de América do Sul parece mais lógico, pelo menos pela proximidade geográfica.

Tem 17.850,568Km2 e por volta de 400.000.000 de habitantes essa nossa região.

Considerando 12 unidades, uma vez que a Guiana francesa não é independente, ficando excluída desse grupo; os países estão numerados abaixo de acordo com a ordem alfabética, com seus governos há dez anos (2011) e os desse início de 2021.

01 – Argentina                                                                                                                   –  Cristina Kirchner em 2011                                                                                           –  Alberto Fernández em 2021 (Cristina Kirchner como vice)

02 – Bolívia                                                                                                                         – Evo Morales em 2011                                                                                                   – Luis Arce em 2021 (uma rápida transição da Direita com Jeanine Añez.

03 – Brasil                                                                                                                         – Dilma Roussef em 2011                                                                                               – Jair Bolsonaro em 2021.

04 – Chile                                                                                                                           – Sebastián Piñera em 2011                                                                                             – Sebastián Piñera em 2021 (intercalado por Michelle Bachelet.

05 – Colômbia                                                                                                                     – Juan Manoel Santos em 2011                                                                                       – Iván Duque em 2021.

06 – Equador                                                                                                                     – Rafael Correa em 2011                                                                                                 – Lenin Moreno em 2021. (Esquerda venceu o primeiro turno em fev21)

07 – Guiana                                                                                                                       – Donald Ramotar em 2011                                                                                             – Irfaan Ali em 2021

08 – Paraguai                                                                                                                     – Fernando Lugo em 2011                                                                                               – Mario Abdo Benitez em 2021.

09 – Peru                                                                                                                           – Olanta Humalla em 2011                                                                                             – Francisco Sagasti (interino) em 2021.

10 – Suriname                                                                                                                   – Dêsi Bouterse em 2011                                                                                                 – Chan Santokhi em 2021.

11- Uruguai                                                                                                                      – José Mujica em 2011                                                                                                    – Luis Lacalle Pou em 2021.

12 – Venezuela                                                                                                                   – Hugo Chavez em 2011                                                                                                 – Nicolás Maduro em 2021.

 

ÚLTIMOS DEZ ANOS

 

Em 2019 surgiu nas redes sociais a moda de comparação entre tudo e qualquer coisa em um período de dez anos, e vamos aproveitar e utilizar esse período comparativo.

COMO ERA EM 2011 A COMPOSIÇÃO POR REGIMES POLÍTICOS NA AMÉRICA DO SUL. (Lembrando que essa classificação é subjetiva)

Esquerda – Países: 01, 02, 03, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12. (conforme numerados acima)

Centro     –              04, 05.

Direita     –              Nenhum

 

COMO ESTÁ NESTE INÍCIO DE 2021

 

Esquerda – Países: 01, 02, 07, 10, 12. (A Esquerda detém hoje 50% dos governos na região em relação há dez anos)

Centro      –              04, 06, 09, 11. (Os governos de Centro dobraram)

Direita      –              03, 05, 08.

 

Nesses dados fica claro o encolhimento da participação da esquerda como máximos mandatários nesses países.

Essa participação foi reduzida em cinquenta por cento, se considerarmos a quantidade de países, e redução ainda maior se o critério for populacional.

Em 2011 havia na região 10 países com regimes de esquerda (Venezuela, Argentina, Bolívia, Equador, Uruguai, Brasil, Guiana, Paraguai, Peru e Suriname) e nenhum país de direita; e o quadro se completava com Colômbia e Chile, de centro.

No início deste 2021 permanecem com regimes de esquerda a Argentina, Venezuela, Guiana, Bolívia e Suriname.

Os considerados de Centro dobraram a quantidade, hoje com Chile, Equador, Peru e Uruguai.

Já a direita saiu do zero em 2011 e hoje contém Brasil, Colômbia e Paraguai.

Na Argentina, Maurício Macri ratificou o que já era sabido, que o período de um mandato, seja de 4 ou cinco anos, normalmente não é suficiente para as atividades de reequilíbrio e reestruturação de um país já quebrado e saqueado da forma como foi a nossa vizinha Argentina; mesmo que Macri não tivesse cometido erros graves como a tentativa de garrotear a inflação pela pena da caneta.

Recolocar um país assim nos trilhos demanda esforço, tempo e sacrifício; e fica difícil exigir mais sacrifício de uma população que ficou com a cota de sofrimentos e dificuldades preenchida até a tampa.

 

A ESQUERDA ESTÁ SENDO BANIDA DA REGIÃO?

 

Seguramente que não.

Há muitos recursos em mãos de esquerdistas no mundo todo e muita articulação para que sobrevivam, principalmente com sindicatos, e comitês políticos travestidos de ONGs com objetivos desvirtuados e focados apenas em não deixar que a jararaca seja eliminada, ficando o povo e o próprio país excluídos das prioridades.

A esquerda Argentina, novamente no poder, possui esses fortes sindicatos e experiência em cooptar, controlar ou sufocar a mídia portenha.

Se agirmos como se a Esquerda estivesse aniquilada, teremos surpresas desagradáveis, tal qual o lutador que se entusiasma ao derrubar o oponente, baixa a guarda e acaba por sofrer um knockout.

Convém ficarmos atentos e firmes.

 

NO NOSSO BRASIL

 

Fechados os números do Produto Interno Bruto (PIB) do ano de 2020, o Brasil foi expelido do grupo das dez maiores economias do mundo; isso ocorreu mais em função dos dois anos de recessão provocados pelo desgoverno de Dilma, do que propriamente pela pandemia, e essa situação precisa ser corretamente esclarecida para não cair indevidamente no colo do Bolsonaro, e consequentemente influenciar negativamente a próxima eleição de 2022.

O governo precisa melhorar sua comunicação e esta precisa ser para toda a nação e não apenas para os eleitores do presidente.

Precisa reverter os danos à imagem que ocorrem em função da pandemia, na qual com as mãos atadas pelo STF ficou praticamente que só com a obrigação de cobrir todos os gastos de estados e municípios, e correndo o risco de ficar carimbado com a narrativa de responsável pelas mortes.

Estão colando em Bolsonaro a fama de negacionista e irresponsável, e essa não é a imagem correta para um presidente e responsável maior pelos destinos do país, ainda que pessoalmente pense dessa forma.

Deve ter gente competente para essa assessoria, se assim é, precisa ouvi-los.

 

O PESO DA DERROTA DE TRUMP

 

Por ocasião da Primeira Cúpula Conservadora das Américas, em dezembro de 2018 na cidade de Foz do Iguaçu, o futuro parecia mais alvissareiro do que se apresenta hoje; e a possibilidade de Juan Guaidó desbancar Nicolás Maduro na Venezuela logo no início de 2019 dava falsos sinais de que a direita estaria se encorpando por estas bandas.

De lá para cá tivemos o peso da mudança argentina retornando ao peronismo e com a perigosa e experiente Cristina Kirchner como vice.

A vitória de Biden nos Estados Unidos foi outro enfraquecimento, e com isso, mais do que Bolsonaro, passou a ficar em perigo o próprio conservadorismo na parte sul do continente americano, com a brocha na mão e o muro caído.

Com o passar dos meses Guaidó e as pressões dos países de direita se mostraram inábeis e sem forças para substituir Maduro, enterrando a possibilidade de Brasil, Argentina e Venezuela unirem forças conservadoras com maior poder de aglutinação nesta parte do mundo.

Com o enfraquecimento de Evo Morales na Bolívia a esperança reapareceu em nome de Jeanine Añez, mas acabou não se sustentando, e Evo volta a ter influência no país, embora de maneira indireta.

 

O EFEITO SANFONA

 

Temos vivido a ameaça desse efeito sanfona que quando se estende dá espaço para as liberdades individuais e diminuição do Estado, e depois se fecha e o protagonismo vai para um Estado mais forte e com mais controle sobre os cidadãos.

E assim segue a nossa América do Sul, aos trancos e barrancos e com pouca influência no restante do continente americano, apesar da grande área, grande população e da maior floresta do planeta terra.

Há uma crença corrente que diz que tudo no mundo tende ao equilíbrio, como uma consequência natural da vida, mas a sanfona política em nossa América do Sul ainda tende a se alternar por um bom tempo em seus movimentos de sístole e diástole.

Da mesma forma que a esquerda se arrepia negativamente ao rufar dos tambores, Bolsonaro precisa ficar atento e não tripudiar o bater de panelas; esse barulho por vezes cresce e toma proporções devastadoras. Dilma que o diga.

Lula disse em mais de uma vez que “acertaram o rabo da jararaca, mas não mataram”, talvez abrangendo dele próprio para a esquerda como um todo o papel de vítima e perseguida.

Convém prestarmos atenção a essa metáfora.

A hora é de agir, e agir certo!

 

 

Reginaldo Brito, para Vida Destra, 05/03/2021.                                                                Sigam-me no Twitter! Vamos debater o assunto! @Reginaldoescri1


Nenhum comentário:

Postar um comentário