quinta-feira, 13 de maio de 2021

O SOFISMA MENTIROSO DO PL EM “DEFESA” DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E REVOGAÇÃO DA LSN


Por Sergio Alves de Oliveira



Pelo visto,“Suas Excelências”,os  deputados  federais ,que já aprovaram,e  os senadores, que provavelmente farão o mesmo,talvez com alguns reparos, estarão  meramente ratificando e reforçando   uma grande mentira, dentre tantas outras,  que foi escrita pelos constituintes da carta de 1988 ,contida tanto no  seu preâmbulo ,quanto no artigo primeiro ,os quais  “fingiram”,naquela ocasião,e também “fingem”, agora ,nesse projeto de lei tramitando no Congresso , instituir ,através de lei específica, a “defesa”do que falsamente consideram  “estado democrático de direito”,criminalizando os atos que menciona,e “inchando” à exaustão o Código Penal Brasileiro.

Trata-se do Projeto de Lei Nº 6.764,de 2002,encaminhado na ocasião ao Congresso Nacional  pelo então Ministro da Justiça do Governo FHC,Miguel Reale Junior,e que trata de definir   crimes contra o chamado “estado democrático de direito” (sic,sic,sic),”sorrateiramente” aproveitando esse “gancho” para revogar a  tão discutida  Lei de Segurança Nacional (Nº 7.170/1983). Mas esse PL ficou “dormindo” até hoje.

Demonstrando um vício histórico  que a cada dia mais afoga  e  dificulta a vida dos brasileiros  com  novas leis, todo esse “catatal” do projeto de lei em tramitação já está previsto com clareza solar , e resumidamente,  no inciso II do artigo 1º da própria LSN,”revoganda”:” Esta lei (LSN) prevê os crimes que lesam ou expõe a perigo de lesão: (I).......;(II) – o regime representativo e democrático,a federação,e o estado de direito”.

Mas a “famigerada” lei de segurança nacional já privilegiava -e com a nova lei querem privilegiar mais ainda - os políticos  mais importantes que têm foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal,geralmente tão “bondoso” com essa gente. Ocorre que os crimes previstos na LSN, cometidos pelo “comum dos mortais” devem ser julgados pela Justiça Militar,cuja última instância reside no Superior  Tribunal Militar. Mas os políticos mais importantes serão julgados  ,pela LSN,não pelo STM,mas diretamente pelo STF,que têm competência originária e exclusiva para julgá-los,nos termos do artigo 30 da referida lei.

E o STF se aproveita desse privilégio para puxar para si mesmo,covardemente, o  processo e julgamento  de “crimes” contra a segurança nacional,mas somente os “cometidos”pelos que “figurões”que o  criticam,como acaba de acontecer com o deputado federal Daniel Silveira,sem direito à defesa e a qualquer recurso.

Parece,portanto,que o objetivo  da nova lei  que revoga a LSN não passa da pretensão de  ampliar o “leque” de políticos criminosos “civis”,eventualmente sujeitos    aos rigores da  LSN ,e da Justiça Militar, com a finalidade de receberem os “abrandamentos” da Justiça Comum. 

O resultado é que no PL em tramitação a segurança nacional este sendo totalmente desprezada,substituída por uma  exacerbada preocupação com o (falso) estado democrático de direito.

Mas na verdade ,o que aprovaram na Constituição de 1988, e estão reforçando agora ,com o PL 6.764/02,trata-se da figura do  “Estado Antidemocrático”, e também do “Estado de Antidireito”.

Ao contrário  do que acontece no “estado democrático de direito”,no “estado (anti)democrático  de (anti)direito” ocorre um conjunto de práticas ilegais,injustas,incorretas,ilícitas,injurídicas,prejudiciais à sociedade ,e ao processo evolutivo das consciências políticas,geralmente atrofiadas.

“Decodificando”a expressão “(anti)direito”,etimologicamente, ela provém do prefixo grego “anti”,que significa “oposição”,”contrário”; acrescido da expressão “directus”,do latim,que significa “reto”,regras ou ordens estabelecidas,”trajetória correta”,”forma de ordenação”. Em “sinonimologia”,(anti)direito” pode ser substituído por “direito torto”,”direito ilícito”,”pseudodireito”,”direito iníquo”,”perversão jurídica”,ou “negação do direito”.

Outra mentira repetida várias vezes na CF, e no PL  em exame, trata-se da chamada “democracia”,acessória do pretenso “estado de direito”.Mas jamais uma democracia verdadeira  poderia dar abrigo à pior escória da sociedade para fazer leis e governar ,e que se oferece para fazer política e concorrer nas  eleições,por intermédio de votos oriundos de uma população politicamente carente , despreparada e ingênua. E não vai ser preciso investigação mais profunda para que detecte logo que realmente a maioria dos políticos eleitos são retirados da pior escória da sociedade.Por isso o Brasil não pratica nenhuma democracia,porém a sua forma deturpada,a “oclocracia”.

Mas o Brasil também não vive em nenhum “estado de direito” verdadeiro. O direito brasileiro é  corrompido,uma  fraude,uma mentira deslavada,porque corrompidas são as suas fontes “formais”,consistentes no (1) direito positivo,principalmente leis;na (2)jurisprudência; na (3) doutrina :  nos (4) costumes; e nas (5) tradições.

Com tantos delinquentes políticos fazendo as leis,seriam elas confiáveis? E a tal jurisprudência,feita por  sofisticados elementos enfiados na  Justiça,nomeados através da política,seria virtuosa? É claro que a resposta para ambos  só pode ser um “não”!!!

Mas a maior prova do completo desmantelamento do “estado democrático de direito” no Brasil reside no processo de destruição dos valores judaicos-cristão da sociedade,patrocinada principalmente pelas organizações  públicas,principalmente do ensino,espalhadas no submundo dos Três Poderes Consitucionais.

Essa lei que estão “trabalhando” vai abandonar  totalmente às“moscas”a segurança nacional e,com o pretexto de proteger e estado democrático de direito,acabarão protegendo,isso sim, bem mais os delinquentes da política,ficando por isso uma mera extensão do artigo 5º da Constituição,que só assegura “direitos”, e não cobra nenhum dever ou obrigação,restando uma “conta” impagável.

Enquanto isso a “Pátria” vai ficando cada vez mais vulnerável  aos interesses políticos e  econômicos da Nova Ordem Ordem Mundial ,e da Esquerda interna e internacional. A China,de Xi Jimping,por exemplo,já começou a sua invasão,e não vai demorar para “comprar” a própria soberania do Brasil,com total  aquiescência dos maus brasileiros. Afastada  a LSN ,vai ser uma “barbada” o domínio  total chinês

Os juristas da Antiga Roma  criaram um brocardo que bem se  adapta à nossa discussão: “acessorium sequitur principale” (o acessório segue o principal). Ora,se o “principal”,ou seja,o “estado democrático de direito” implantado no Brasil ,é algo  inteiramente falso,a partir da Constituição,é evidente  que todo o seu detalhamento  pretendido no PL 6.764/02  estará também contaminado  com o “vírus” de igual falsidade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário