quarta-feira, 9 de junho de 2021

Sobram jogadores, faltam craques!


 

Por Lucas Barboza                                                                              @BarbozaLucaas

 Com cinco copas do mundo, nove Copas América e um titulo olímpico, além de outros títulos com menores expressões e de categorias de base, o Brasil leva a alcunha de país do futebol, mas há tempos fomos passados nesse quesito sem nem percebermos.

Ate a década de 2010, nossa seleção era recheada de craques como Ronaldo, Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Dida, Júlio Cesar, Lucio e Cafu, isso citando apenas os que eram constantemente convocados no inicio do século, mas na historia da nossa seleção há muitos outros craques, alguns pouco mencionados, como Leônidas da Silva, o “diamante negro” e outros que dispensam comentários, como o rei Pelé.

Após a copa de 2010 não tivemos um grande jogador em nossa seleção, ou melhor, o futebol brasileiro não teve jogadores com um grande protagonismo no futebol mundial, sobram jogadores, mas faltam craques. Não temos um camisa 10 que dite o ritmo em campo, não temos um centroavante que é decisivo, não temos um xerife que organize a zaga, a única posição que ainda temos uma salvação é a de goleiro!

Se formos classificar os jogadores de hoje como craques, devemos dar uma alcunha maior aos seus antecessores, não há como comparar Roberto Carlos, Rivaldo, Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo e Adriano com os que hoje estão hoje na seleção, há exceções como Neymar, Alisson, Thiago Silva e Marquinhos, que hoje estão um nível abaixo dos citados.

E a perspectiva não é das melhores, pois aparentemente os novos jogadores perderam o “tesão” no futebol, querendo apenas a fama e o dinheiro, não há mais jogadas de efeito, dribles que encantam, e quando alguém tenta algo diferente, logo os adversários em campo acham isso um desrespeito, causam tumultos e brigas que acabam com o espetáculo.

Perdemos o que nos colocava no topo do mundo futebolístico, o Brasil que era a terra do futebol agora é apenas mais uma seleção dentre tantas que antes eram coadjuvantes, vexame maior que o Mineiraço não acontecerá novamente, ele foi até mais humilhante que o Maracanaço em 1950, perder de 7×1 para Alemanha, em uma semifinal de Copa do Mundo, ficou marcado para todo sempre.

Para efeito de comparação basta vermos os atacantes que estavam nas copas do mundo de 2002 e 2006, e os que estavam em 2014 e 2018.

 

2002200620142018
RonaldoAdrianoHulkDouglas costa
RivaldoRonaldoFredGabriel Jesus
LuizãoFredNeymarNeymar
EdilsonRobinhoBernardRoberto Firmino
 Taison

 

Vemos nitidamente que o ataque das seleções em 2002 e 2006 era mais técnica e goleadora que as de 2014 e 2018, e de todos os que estão na lista apenas Ronaldo e Rivaldo ganharam o premio de melhor jogador do mundo, e nas seleções de 2014 e 2018 apenas o Neymar mantem o alto nível e é conhecido nas mesmas proporções que seus antecessores.

O numero de jogadores registrados na CBF é alto, cerca de 88 mil são profissionais, são muitos atletas e poucos craques, alguns ate conseguem algum destaque por conta de jogadas de efeito, mas não ficam nos grandes centros para serem conhecidos.

Podemos nos questionar se o nível do futebol brasileiro caiu, ou o do mundial aumentou, mas uma coisa é certa, formamos muitos jogadores no Brasil, mas nenhum craque!

 

 

Sigam Vida Destra Esportes no Twitter: @EsportesVD, no Instagram: @esportes_vd e no Canal do Telegram : https://t.me/EsportesVD

Nenhum comentário:

Postar um comentário