quarta-feira, 18 de agosto de 2021

A TORNOZELEIRA ELETRÔNICA QUE CHAMAM “CELULAR”

     


Sérgio Alves de Oliveira

Advogado e Sociólogo

Muitas vezes o impulso pelo consumo de produtos das novas tecnologias que surgem a cada dia ,nas chamadas sociedade de consumo do liberalismo exacerbado,tem força para “cegar” as pessoas em relação às armadilhas em que poderão estar caindo

A tese que iremos suscitar é de que os “bilhões” de usuários de telefonia móvel celular em todo o mundo perderam tanto a liberdade, quanto a intimidade e a privacidade,sujeitando-se ao monitoramento de todos os seus passos e lugares frequentados, tanto quanto controlados são os condenados criminalmente ao uso de tornozeleira eletrônica, como  alternativa à execução da pena em presídios.                                                                                                                 

A única diferença reside na figura do “controlador”. Na “tornozeleira eletrônica” é o Estado que executa o controle,através das suas organizações repressivas e preventivas ao crime. No segundo caso,aparecem as operadoras de telefonia celular,sem qualquer controle efetivo do uso que farão da ”vida” privada dos seus usuários,monitorada pelo “smartphone”,mesmo que por intermédio de ações não autorizadas dos seus próprios prepostos.

A tornozeleira eletrônica usada para monitoramento de todos os passos de condenados criminalmente que tenham preenchido certos requisitos para esse tipo de benefício,teve inspiração no “Homem- Aranha”,desde o momento em que o juiz norte-americando Jack Love lia um jornal ,no ano de 1977,e a partir daí idealizou o dito aparelho,”inventado”a partir da tirinha de uma história  em quadrinhos escrita por Stan Lee (também criador do “Incrível Hulk”),que mostrava o personagem maligno chamado “Rei do Crime”colocando o “Homem Aranha” em sucessivas “enrascadas”.

Na referida história em quadrinhos,o super-herói “Homem Aranha” teve  um bracelete colocado no seu punho para fins de monitoramento por um radar controlado pelo  vilão “Rei do Crime”,que dizia que “nem mesmo o incrível poder do “Homem-Aranha” poderia removê-lo”,exceto com  a sua “chave-laser”,que ficava escondida.

Essa foi a inspiração do juiz Jack Love ,preocupado com a superlotação do presídio da sua cidade,no Novo México,que ao mesmo tempo considerava que essa  armadilha para o “Homem-Aranha” talvez pudesse dar certo como execução de pena alternativa para os “excessos”da população carcerária da sua cidade. Com esse objetivo, o juiz saiu à procura de fornecedores de equipamentos eletrônicos apropriados.Mas acabou  frustrado. Nada encontrou. Mas teve a sorte de um vendedor se interessar pela ideia e sair a campo para “inventar” alguma coisa que atendesse à vontade do juiz. Michael Goss largou o seu emprego e montou a própria empresa para desenvolver a ideia do juiz Love,que seria usado no “tornozelo” dos “usuários” compulsórios desse aparelho.

Antes de oferecer o dispositivo a quatro condenados,como opção à prisão,o juiz testou a “tornozeleira eletrônica” recém inventada no próprio corpo ,durante três semanas. Deu certo e o aparelho foi adotado em todo o mundo.

Ora,no estágio atual da era digital,praticamente  todas as pessoas usam a”tornozoleira eletrônica” chamada “smartphone”. Só nos Estados Unidos são 326 milhões de “smartphones” ,de “tornozeleiras eletrônicas”,para uma população de 326 milhões de pessoas.

Em 1992 participei como convidado de uma palestra  dada no Hotel Plaza (Plazinha) ,em Porto Alegre,com o impactante  título de “Telecomunicações no ano 2.000”.Na mesa que conduzia os  trabalhos, estavam os grandes “figurões ” da época em telecomunicacões. Um dos componenentes da ilustre mesa era o ex=Ministro Mailson da Nóbrega.                                    

Pois bem,peço que não se espantem,mas a previsão da quantidade de celulares para o ano  de 2.000,no mundo inteiro, (estávamos  em 1992) ,era de 500.000 (quinhentos mil celulares). É claro subestimaram a “explosão” que teria a seguir  o uso do celular. No ano  de 2000, somente em Porto Alegre, já tinha bem  mais que essa previsão para o mundo. E em 2020, o número de celulares  era de 234 milhões no Brasil inteiro.

Embora com meios tecnológicos diferentes para controlar os passos das pessoas,na verdade a telefonia móvel celular e a tornozeleira eletrônica de condenados possuem inúmeras características e utilidades afins.

Mas em relação à telefonia celular é flagrante a INCONSTITUCIONALIDADE da sua operação e funcionamento. É inconstitucional porque “atropela” a cláusula pétrea,imodificável por emenda constitucional,contida nos incisos X e XII ,do artigo 5ª,da CF,por força do parágrafo 4º,inciso IV,do artigo 60,combinados com o “Título II,Capítulo I,da Constituição. Porque viola a “intimidade”,a “vida privada” e a” imagem” das pessoas,bem como as comunicações telefônicas.

Como a telefonia móvel celular surgiu e começou a operar nos anos 90 em todo o mundo,inclusive no Brasil,a Constituição brasileira é anterior,com cláusula pétrea vedando  expressamente esse  controle que as operadoras de telefonia celular fazem sobre a vida privada dos usuários de telefone celular,não havendo nenhuma garantia que impeça o eventual mau uso das informações sobre as pessoas usuárias dos serviços.

Com a implantação da telefonia móvel celular de 5ª Geração (5-G),em pleno curso,e a quase certa vitória dos fornecedores chineses nessa licitação internacional,o que vai acontecer é que com essa sofisticada tecnologia porvindoura ,o Partido Comunista Chinês-PCC passará a ter pleno acesso a informações até sobre o que “pensam” e o cheiro do “pum” de cada brasileiro, usuário do “5-G”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário