segunda-feira, 6 de setembro de 2021

A PESTE INTRODUZIDA NO MUNDO PELO PARTIDO COMUNISTA CHINÊS COM OBJETIVO DE REDUZIR A HUMANIDADE

 


Sérgio Alves de Oliveira

Advogado e Sociólogo

A população mundial cresce em escala geométrica,”assustadora”. 

Há 10 mil anos  a população mundial se restringia a l milhão de pessoas. No ano de 1800  d.C passou para 1 bilhão,dobrando e ”pulando” para 2 bilhões em 1920,e 3,5 bilhões em 1960. Hoje a população mundial é de cerca de 7,5 bilhões,quase quatro vezes mais do que era há apenas um Século atrás.

Segundo estimativas “pessimistas” da ONU, o mundo passaria a ter 11 bilhões de pessoas na virada do Século 21 para 22.

Mas um trabalho de cientistas para a Revista The Lancet é mais otimista, estimando  que o “pico” da população mundial chegaria em 2060,com “apenas” 9,7 bilhões de pessoas,reduzindo gradativamente a partir daí até  chegar a uma população mundial de 8,8 bilhões de habitantes,em 2100.  

Dentre  os aspectos mais relevantes para essa mudança de “atitude” da população mundial deve ser salientado uma melhor educação sexual da mulher e os novos métodos antriconceptivos a serem inventados e introduzidos na humanidade a curto prazo.

Nessas “reviravoltas”populacionais,a Índia e a Nigéria ultrapassarão a China,em número de  habitantes. Mas a Nigéria,cujas mulheres têm hoje uma média de 7 filhos ,chegaria a uma média 1,8 filhos,semelhante a países mais desenvolvidos,portanto com uma população “estacionária”. Nessa perspectiva,o Brasil teria reduzida  a sua população para 165 milhões de pessoas na entrada do Século 22.

Mas ninguém sabe,ao certo,qual o limite populacional que o Planeta Terra  suportaria. Porém uma coisa é certa: têm limites,sim . E por isso qualquer redução “natural”,antes do ponto de “saturação”,só poderia trazer benefícios ao planeta e à vida da própria humanidade,e de todos os outros animais criados livres na natureza,diminuindo o  carbono que só traz malefícios  à atmosfera e à vida.                                                                                                                                 

Sem dúvida o Planeta Terra precisa redimensionar e diminuir a ocupação dos seus espaços na terra e no mar. Caso contrário, não será mais possível produzir alimentos satisfatórios  para todos,o que de certo modo já acontece,mas por razões diferentes - políticas,sociais e econômicas- excluídos do consumo  de alimentos necessários  uma boa fatia da humanidade. Mas pode chegar um dado momento em que a comida não esteja mais à disposição nas prateleiras inclusive para os que podem comprá-la. 

Mas a renovação da população mundial acabou tendo forte desequilíbrio “provocado”com a mortandade genocida imprevista de milhões  de pessoas em todo o mundo- a exemplo do holocausto judeu,que matou “extraordinariamente”6 milhões de seres humanos- contaminadas a partir de dezembro de 2019 por um vírus mortífero  provavelmente desenvolvido num laboratório que poderia  der considerado de “bioterrorismo”,de terrorismo “virológico”,em Wuhan,China.

Enquanto todo o mundo anda apavorado com o possível “estouro” de uma nova grande guerra mundial,que se porventura  desencadeada praticamente destruiria grande parte da humanidade, e a sua “obra” sobre o Planeta Terra ,mais parece que os mentores do PCC teriam preferido  uma guerra “limpa”,sem bombas nucleares,uma guerra “biológica”,através da disseminação do “novo coronavírus” em todo o mundo,com alto índice letal.                               

Mas como não estariam cumpridas à risca as exigências formais  do direito internacional para ser considerada uma “guerra”,esse espetacular genocídio mundial entraria  para a categoria de “bioterrorismo”,de guerra,ou terrorismo  “virológico”,uma nova modalidade de guerra mundial,onde uma só força “ataca”,e todos os outros se “defendem”,sendo forçados pela derrota a entregar todas as suas riquezas e interesses aos “vencedores” dessa guerra.

Mas com certeza o “inchaço” de gente no mundo seria um grande obstáculo a vencer  pelos interesses “imperialistas” chineses. Não haveria como acomodar a excessiva mão de obra  disponível no mundo,mesmo que “escrava”,como na China,em grande parte substituída pelas máquinas e pelos computadores,que inclusive não precisam de “alimentos”e salários para funcionarem.

Nesse sentido impõe-se esclarecer as seguintes indagações: (1) o novo coronavírus surgiu de propósito para diminuir a humanidade e”resolver” o excesso de mão de obra disponível no planeta? (2) a redução da humanidade foi um “investimento” para os seus responsáveis? (3) o novo coronavírus  será o principal responsável pelo novo comando do mundo?


a

Nenhum comentário:

Postar um comentário