segunda-feira, 6 de setembro de 2021

A ROUBALHEIRA “OFICIAL”NO PREÇO DA GASOLINA

                      


Sérgio Alves de Oliveira/Advogado e Sociólogo

Apesar de nenhum desses governadores atacados pelo Presidente Jair Bolsonaro por causa do preço dos combustíveis ter merecido o meu apoio,voto,ou mesmo admiração, para governar algum estado brasileiro, na verdade,nesse aspecto em particular,o Presidente Jair Bolsonaro tem sido muito injusto com os Estados e  seus governadores,  transferindo-lhes  a culpa pelo alto preço dos derivados do petróleo,inclusive a gasolina,alegando  “ganância” dos administradores  estaduais pelas elevadas alíquotas do ICMS cobradas  sobre esses produtos,e que os mesmos se negam terminantemente a revisar esse imposto para menos.

Porém,para início de conversa,essa redução não dependeria somente do poder executivo de cada estado,porém também dos legislativos. Ademais,pelo simples  fato dos estados já viverem à míngua com as suas reduzidas receitas tributárias,uma vez que a parte tributária do “leão” sempre pertenceu  à União Federal,numa federação verdadeiramente “faz-de-conta”,que mais se aproxima do “estado unitário”,evidentemente seria mais justo que essa “pretendida” redução do preço dos combustíveis tivesse à frente a própria União Federal,não só em relação ao tributos federais incidentes (PIS,COFINS e CIDE),que resultam em 12,6 % do preço,mas principalmente em relação aos elevados custos de produção na PETROBRÁS,que integra a administração indireta da União,não dos estados.

Tomando por base o mês de abril de 2021,por exemplo,pela Planilha da ANP,o preço médio do litro da gasolina nas bombas era de R$ 5,98,distribuídos,em percentagem,com  35,6%  para a Petrobrás (ou importadoras),12,6% em tributos federais (PIS,COFINS e CADE),9,0% em Distribuição e Revenda,14,8 % em Etanol adicionado,e finalmente 28,1 % (em média) em ICMS dos Estados.                                                                                                                                             

Mas enquanto o ICMS dos Estados de maneira geral se manteve estável durante longo tempo,o percentual  da composição no preço do litro na Petrobrás e nas importadoras “saltou” extraordinariamente de 30,6%,em janeiro,para  35,6 % ,em abril de 2021.

E não são os governadores os responsáveis pela nomeação dos gestores da Petrobrás,pela política de preços adotada,pelos custos operacionais da empresa,e pela política de pessoal (privilegiada ?) na estatal.

E essa conversa para “boi dormir” da vinculação dos preços dos combustíveis às tabelas “internacionais”não me convence. Como explicar,por exemplo,que na vizinha Venezuela o preço do litro da gasolina na bomba custa  apenas R$ 0,11 (onze centavos de real),e para encher o tanque do carro, com 50 litros,R$ 5,44,menos do que custa um litro de gasoiina no Brasil ? E no Irã,cerca de R$ 0,34 o litro?                                                                                             

Não nos garantiram várias vezes que o Brasil já teria atingido a autosuficiência  em combustíveis do petróleo? Será que na Venezuela e no Irã cai  petróleo ou gasolina no lugar de água durante as chuvas? Como nesses países pode ser tão barata a gasolina,enquanto o  preço internacional e nas bombas do Brasil é tão caro,cerca de 30 ou mais vezes?

Será que na Venezuela e no Irã a extração e refino do petróleo teriam custos “zero”? Ou menores que no Brasil? Ou que a gasolina na bomba seria vendida com subsídios,abaixo do custo de produção? Como explicar tamanha  diferença no preço da gasolina (bomba) entre países autosuficentes em petróleo? Não seria “roubalheira pura em alguns,como no Brasil?



Nenhum comentário:

Postar um comentário